Ilé Àṣẹ Alá Déí

Sacerdotes e Sacerdotisas

(Àwọn Òjíṣẹ́ Ọlọ́run Ọkùnrin àti Àwọn Òjíṣẹ́ Ọlọ́run Obìnrin)

Ialorixá Raimunda de Gu (Ìyálórìṣà Raimunda Gu)

Ìyálórìṣà Raimunda Gu

Matricarca da Ilé Àṣẹ Alá Déí. Nascida em 04 de agosto de 1934 em Salvador - BA. Veio a falecer em 14 de junho de 2007.

Foi iniciada em 17 de julho de 1943. Aos 14 anos de idade vendia àkàsà e após esse período começou a vender àkàrà (mais conhecido popularmente como acarajé) para ajudar no sustendo da família. Ficou com as vendas durante anos para o seu sustento, o da sua família e o da roça e só parou de vender devido a orientação médica de que a fumaça do azeite de dendê estava lhe fazendo mal a saúde.

Era uma mulher negra muito bonita de estatura mediana com atributos físicos avantajados. Muito séria, era uma mulher de poucas palavras. Não gostava de brincadeira e o seu olhar por si só já impunha respeito. Quem não a conhecia sentia até medo da sua presença. Forte e valente, participava de qualquer serviço braçal, entendia de tudo um pouco e costumava dizer que em outra reencarnação séria homem mesmo que fosse de uma perna só. Muito calada não gostava de ostentação. Era pouco vaidosa mais tinha presença e se destacava quando chegava no barracão mesmo com suas roupas simples.

Falava pouco com quem não tinha aproximação. Não conversava com a maioria dos Filhos de Santo, nem sorria ou brincava com os mesmos, porém, com os filhos mais chegados era o oposto. Muito crítica, zombava e ria muito de quem não sabia dançar.

Mãe Raimunda gostava de marcar a iniciação dos seus filhos em datas festivas como natal, ano novo, aniversário da pessoa e etc. Acredita-se que o motivo pelo qual ela adotava essa prática era para testar o comprometimento dos iniciados para com os Orixás.

 

 


Bàbálaxé Paulo de Ayrá (Bàbáláṣẹ Paulo Ayrà)

Bàbáláṣẹ Paulo Ayrà

Nascido em 28 de abril de 1961 em Salvador - BA.

Foi iniciado em 08 de junho de 1984. Após o falecimento das Ìyálórìṣà Gerônima e Raimunda, Ogá Nadinho de Ṣàngó passou a ser o responsável por suas obrigações, até os dias atuais.

Antes e após a sua iniciação, fazia várias viagens de Salvador a Mata de São João para auxiliar nos afazeres da roça. Saia do seu serviço muitas vezes tarde da noite e em dias de festa se deslocando de táxi com seus próprios recursos para que chegasse o mais rápido possível. Não media esforços para que tudo desse certo em dias normais e em dias de festejo. Era um dos preferidos de Mãe Raimunda.

Possuidor de profundos conhecimentos de todas as coisas relacionadas ao Candomblé, é muito respeitado em Mata de São João, cidades vizinhas e a capital do estado por pessoas ligadas a todos os segmentos da sociedade, seja religioso ou não, por ser uma pessoa de caráter, comprometida, séria e cativante.

Não mede esforços para ajudar uma pessoa em apuros de quaisquer natureza, e se tratando de problemas espirituais, nunca visa obter lucros monetários, sempre visa o bem estar da pessoa em primeiro plano.

Quase que na maioria das ocasiões sempre sorridente e amável, porém, não o tire do sério com mentiras, falsidades e descomprometimento, pois este mostrará o seu lado guerreiro.

Vive sempre uma batalha, uma de cada vez, dia a dia, semana a semana, mês a mês, ano a ano, sempre sagrando-se vencedor de todas.

Carinho, simpatia e sorriso ímpar são as suas características marcantes.


Bábálorixá Daniel de Oxalufan (Bàbálórìṣà Daniel Òṣàlúfón)

Bàbálóriṣà Daniel Òṣàlúfón

Nascido em 13 de setembro de 1968 em Salvador - BA.

Foi iniciado em 02 de dezembro de 1995. Após o falecimento de Ìyálórìṣà Raimunda, o Bàbálórìṣà Bude de Ọya passou a ser o reponsável por suas obrigações, até os dias atuais.

De infância pobre, já aos 7 anos de idade levava os irmãos para trabalharem com limpeza nas casas das famílias para auxiliar no sustento da casa.

 

Antes mesmo de ser iniciado, Mãe Raimunda já havia olhado no jogo que Pai Daniel tinha caminhos de Bàbálorixá. Era um dos filhos preferidos de Mãe Raimunda. Desde cedo, sempre cumpria as missões a ele designadas na roça e com o passar do tempo tomando a frente de várias decisões em conjunto com os mais velhos.

Dedicado e profundo conhecedor de todas as coisas relacionadas ao Candomblé, não mede esforços para que as coisas sempre caminhem bem na roça em dias normais e em dias de festa. Amável, carinhoso e paciente, sempre está pronto a responder quaisquer dúvidas dos filhos, dentro do merecimento e da alçada de cada um. Porém, se o filho não possuir qualidades que honrem a verdade, a confiança e a seriedade, nenhum aprendizado terá dele. Se merecedor da sua sua confiança, muito se aprenderá sobre o Candomblé e se tiver a confiança traida, ganhará o seu menosprezo.

Simplicidade e sinceridade são as suas características marcantes.